Outras plataformas:
14/02/2020 | 22:54:40

Osmar Terra revela que não sabe se permanecerá filiado ao MDB



Demitido do Ministério da Cidadania na quinta-feira (13), o deputado Osmar Terra (MDB-RS) concedeu entrevista à Rádio Gaúcha, nesta sexta-feira (14). Acompanhe os principais pontos da entrevista:


Por que o senhor foi demitido? 


O governo tem o direito de fazer os arranjos políticos que são necessários a cada momento. Sou um cargo de confiança. Fui convidado de uma maneira inusitada. Não esperava ser ministro do governo Bolsonaro e foi um convite feito pessoalmente, não teve envolvimento político. A pessoa que fez a sugestão foi Onyx (Lorenzoni), ele me chamou lá, me mostrou a estrutura do ministério e me convidou e disse que o presidente tinha aceitado o convite. 


O presidente vem na reunião com deputados, onde foi anunciado, para dizer que estava me convidando pela minha história. Foi um convite pessoal que me honrou muito. Meus planos já estavam em outra direção quando fui convidado. O meu compromisso… Bom, é um governo que está moralizando, quer mudar o Brasil, foi participar desse processo. Houve uma crise, não foi no meu ministério, tinha de se resolver uma questão específica em outras áreas do governo. 


O ministro Onyx é uma peça chave do governo, foi quem esteve desde o início com o presidente, ia sair da Casa Civil para ser nomeado o (general Walter) Braga Netto e o ministério que tinha como albergar (o Onyx) era o da Cidadania.


O senhor ficou decepcionado?


O presidente Bolsonaro, para mim, é a possibilidade de mudança que tem neste país.


Não, porque todos os processos que participei do governo… O presidente Bolsonaro, para mim, é a possibilidade de mudança que tem neste país. Qual presidente, candidato, convidaria Sergio Moro para ser ministro da Segurança Pública? Qual convidaria Paulo Guedes para fazer a revolução na economia? E convidaria o Tarcísio (Gomes de Freitas)? O cargo mais disputado que teve pelos partidos a vida inteira que conheço era ministro da Infraestrutura. E era indicação política dos partidos, a gente sabe o que aconteceu. Esse cargo hoje é de um militar de carreira. Então, em todas as áreas tivemos essas indicações pessoais do presidente. É o melhor ministério que vi nos últimos anos. 


O senhor reconhece algum erro administrativo que explique as filas no programa Bolsa Família?


Conheço o Bolsa Família muito bem. Foi um programa que sempre teve fila. Todos os 14 anos do PT sempre teve fila. Chegou a ter fila de 2 milhões porque o governo não comportava. No governo Dilma, a média foi de 1,2 milhão de famílias na fila. Achava que tinha de reduzir isso. E no governo Michel (Temer) conseguimos alocar um recurso específico e reduzir a zero. Fui o único responsável a acabar com a fila. 


Mas em razão do contingenciamento do governo não podemos alocar recursos e tem fila de 400, 500 mil pessoas, o que é o normal. Agora virou problema porque eu era responsável. Dilma chegou a fazer um post. Cheguei a tirar 8 milhões de famílias do Bolsa Família que não precisavam. Os controles tem de ser aperfeiçoados. Conseguimos uma vitória que é o Imposto de Renda dizendo que se paga ou não. O programa está totalmente controlado. Teve ainda 13º. Mas achamos que o programa não pode ficar só transferindo renda. Tem de capacitar. Criamos o programa Criança Feliz para que se tenha desempenho melhor na escola. Agora essa historia da fila no Bolsa Família é uma piada, ainda mais quando é o PT que critica. 


Um dos motivos apontados para sua saída seria a contratação da B2T pelo ministério? O que está por trás dessa constatação?


Isso já foi, já conversei com o presidente sobre o que saiu sobre isso. As notícias estão erradas. Primeiro, porque não se contrata nenhuma empresa na Esplanada sem ter o ok da CGU (Controladoria-Geral da União). Essa empresa inclusive, até julho, fazia a tecnologia da informação da própria CGU. Ninguém tinha informações sobre a investigação, que estava ocorrendo no Ministério do Trabalho. E uma das empresas que tinha lá era essa, e aí tem de ver o que houve ou não. Mais órgãos do governo trabalharam com ela. Era uma empresa que tinha 21 contratos na Esplanada. 


Em 2017, a CGU emitiu relatório apontando fraudes no Ministério do Trabalho. O seu ministério não atentou para isso?


Não, se teve uma situação específica. Se fosse isso, a CGU tinha suspendido contrato (que tinha até meados de 2019). Agora, todo mundo que participou da linha de contratação dessa empresa foi afastado ainda no ano passado no meu ministério. 


Se as investigações avançarem, o senhor tem convicção de nada irregular?


Fiz uma revisão e a contratação da empresa seguiu todos os trâmites. Não sei se vai aparecer algo lá ou não. Assim como não sei se vai acontecer na CGU. Se vai aparecer ou não, não tenho nada a ver com isso. A forma que o contato é feito foi totalmente autorizada, em processo está disponível. 


O senhor volta para Câmara e permanece no MDB?


Não sei. O MDB é um partido que estou militando há 40 anos. Então é uma conversa que tenho de fazer com eles. Acho que o MDB se deixou levar nessa onda de corrupção e parceria que fez com o PT esses anos todos — que sempre fui contra. O partido ficou muito desgastado. Foi uma das causas para a redução de voto que o partido teve. Se não fosse a candidatura do (ex-governador José Ivo) Sartori, hoje o MDB teria a metade dos deputados que tem. 


A política hoje mudou completamente. As pessoas têm informações em tempo real, e isso leva com que os discurso tradicionais percam relevância, ainda mais se tem toda a direção acusada de corrupção, como teve o MDB. Perdi voto não foi por causa do meu trabalho, perdi voto porque eu era do MDB.


O senhor vai para a Aliança pelo Brasil, novo partido que Bolsonaro quer criar?


Não sei. O que estou trabalhando é para que o MDB se recicle. Se não se reciclar, aí vou ver, estou de sangue doce. Posso ser candidato ou até a sair da política e fazer uma vida acadêmica.

Fonte: Redação
MAIS NOTÍCIAS
Anuncie em nosso site. Clique aqui!

AGENDA

22 de fevereiro de 2020CARNAVAL 2020
Local: Clube Buricá - Três de Maio
29 de fevereiro de 2020BOLETIM PREMIADO
Local: Rádio Colonial - Três de Maio
AGENDA COMPLETA


Rádio Colonial AM - 1460 Khz
Travessa Dr. Bruno Dockhorn, n°18
Centro - Três de Maio/RS
Cep: 98910-000
Fone/Fax: (55) 3535-1022

E-mails
· colonialam@gmail.com
· colonialouvinte@gmail.com (para ouvintes enviarem seus recados)
ENCONTRE-NOS NO FACEBOOK