Ouça agora

MANHÃ SHOW

com ELISIANE LUDWIG

Saúde

Órgão regulador da Europa aprova uso emergencial da vacina da Moderna

Comunicado foi divulgado nesta quarta-feira pela Agência Europeia de Medicamentos

  • 06/01/2021 - 10:53
Órgão regulador da Europa aprova uso emergencial da vacina da Moderna
Reprodução/internet

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) deu sinal verde nesta quarta-feira (6) para o uso emergencial da vacina contra a covid-19 da farmacêutica americana Moderna, a segunda a ser aprovada contra a doença para uso na União Europeia (UE).

"A EMA recomendou a concessão de uma autorização de comercialização condicional para a vacina covid-19 da Moderna para prevenir o coronavírus em pessoas com 18 anos ou mais", disse a agência em um comunicado.
Estados Unidos, Canadá e Israel já fazem uso desse imunizante. A decisão da EMA, publicada nesta quarta-feira, já era esperada e abre espaço para ampliar a imunização na UE, que tem aplicado na população de risco, também em caráter emergencial, a vacina da Pfizer em parceria com a BioNTech desde dezembro.
 "Como acontece com todos os medicamentos, monitoraremos de perto os dados sobre a segurança e eficácia da vacina para garantir a proteção contínua do público da UE. Nosso trabalho será sempre orientado por evidências científicas e nosso compromisso de proteger a saúde", diz em nota Emer Cooke, diretor executivo da EMA.

A vacina da Moderna contra a covid-19 mostrou eficácia de 94,1% em estudos de fase três e deve ser administrada em duas doses, com 28 dias de intervalo. Especialistas estudam a possibilidade de estender o tempo entre a primeira e a segunda aplicação, visando imunizar, ainda que parcialmente, o maior número de pessoas neste momento.

A Europa, que em meados de dezembro se tornou a primeira região a superar 500 mil mortos, é a mais afetada no mundo em número de contágios, de acordo com um balanço da AFP com base em números oficiais. 

O início das campanhas de vacinação no continente gerou críticas por sua lentidão, principalmente na França, e pelo fato de funcionários da área de saúde não estarem sendo priorizados, como na Alemanha.

Postado por Paulo Marques

Fonte: GZH