Ouça agora

ALVORADA MUSICAL

com PAULO MARQUES

Agricultura

Sonho de Dalberto é ver Cotrimaio livre da liquidação em 2018

  • 09/01/2017 - 07:32
Sonho de Dalberto é ver Cotrimaio livre da liquidação em 2018
Mergulhada em dívidas que chegaram a cerca de R$ 500 milhões em 2013, quando entrou em liquidação extrajudicial, a Cooperativa Agropecuária Alto Uruguai (Cotrimaio), que tem 13 mil associados e filiais em 16 municípios, está conseguindo se reerguer. O presidente Silceu Dalberto e a equipe que o acompanha desde os primeiros dias à frente da cooperativa já vislumbram a recuperação financeira definitiva. Dalberto comemora o fato de a Cotrimaio ter conseguido até agora quitar ou parcelar mais de 90% das dívidas que possuía com associados, bancos, tradings e empresas fornecedoras de insumos quatro anos atrás e o sonho é poder chegar aos 50 anos da cooperativa, em fevereiro de 2018, livre da condição, o qual é semelhante ao de recuperação judicial, utilizado pelas empresas.
Conforme Dalberto, ainda resta aproximadamente um passivo de R$ 100 milhões a ser renegociado. Deste valor, R$ 17 milhões são dívidas com associados e produtores que entregaram grãos a cooperativa mas ainda não receberam. O presidente comemora 2016 como um bom. O faturamento da cooperativa de Três de Maio chegou a R$ 390 milhões. E neste ano a expectativa é aumentar para R$ 500 milhões. “Eu defini uma meta de R$ 1 milhão em vendas por dia e graças ao empenho e competência da nossa equipe consigamos superar essa meta”.
Silceu Dalberto acredita que a participação ativa do quadro social é fundamental para que a cooperativa possa sair da liquidação, (a lei permite um ano, prorrogável por mais um, período em que as cobranças ficam suspensas)
“Graças aos associados que acreditam em nosso trabalho e na Cotrimaio estamos conseguindo resultados positivos anos após ano. Convidamos a todos para que venham visitar a cooperativa e negociar conosco. Em 2013 recebemos um milhão de sacas de grãos e ano passado já chegamos próximos a quatro milhões de sacas”.
 
Fonte: Reda