Ouça agora

ALVORADA MUSICAL

com PAULO MARQUES

Polícia

Golpistas se apresentam como pesquisadores do Ministério da Saúde para clonar WhatsApp

Na ação, um homem liga, se apresenta como contratado pela pasta e afirma estar realizando um estudo sobre a covid-19

  • 14/11/2020 - 07:44
Golpistas se apresentam como pesquisadores do Ministério da Saúde para clonar WhatsApp
Reprodução/internet

Um golpe por telefone que usa o nome do Ministério da Saúde tem percorrido o país clonando contas no WhatsApp pelo menos desde abril deste ano. Na ação, um homem telefona, se apresenta como pesquisador contratado pelo ministério e afirma estar realizando uma pesquisa sobre a covid-19. Se a pessoa aceitar continuar falando, ele faz três perguntas sobre a doença. Na sequência, encaminha um código por mensagem e pede que a pessoa confirme os números para que outro pesquisador não a contate novamente. É neste momento que o telefone é clonado.

No início da pandemia, o Ministério da Saúde chegou a realizar ligações automáticas questionando a população sobre possíveis sintomas da doença. O número que aparecia na tela era apenas o do Dique Saúde: 136 ou 00136. Mas, a partir daí, os golpistas criaram um golpe com outro número de telefone, capaz de clonar o WhatsApp do dono do telefone. Mais tarde, eles utilizam o número para pedir dinheiro aos contatos incluídos na agenda do celular.

Para identificar se a ligação se trata de um golpe ou se é real, basta observar o contato. Caso seja um telefonema oficial, o identificador de chamadas mostrará o número do Disque Saúde: 136 ou 00136. Qualquer número diferente desses em ligações atribuídas ao Ministério da Saúde é suspeito e pode ser denunciado para a Polícia Civil.

Em coletiva de imprensa nesta sexta-feira para tratar das suspeitas de ataque hacker ao sistema do ministério, o secretário-executivo Élcio Franco pediu ajuda para divulgar que a pasta não está realizando pesquisas nem solicita dados particulares por telefone de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), concluindo que essa prática é um golpe.

Fonte: GZH